////// Science for a better life

O que é o período de carência?

Na agricultura, o período de carência, intervalo de segurança, ou PHI na sigla em inglês (Pre-Harvest Interval), é o período mínimo (dias) a ser respeitado entre a última aplicação de defensivo recomendada na prática agrícola e a colheita do cultivo (ou comercialização, no caso de tratamento pós-colheita).

O período de carência: o que é e como se determina?

Este período mínimo entre a última aplicação e a colheita é específico para cada combinação de defensivo agrícola com o cultivo onde ele será aplicado. Como consequência, para cada defensivo haverá tantas doses e períodos de carência quanto cultivos aprovados para o seu uso.

Um ponto importante a ser considerado do PHI, tendo em vista que ele determina o momento da colheita, é que ele deve permitir que o cultivo colhido chegue ao seu destino em condições ótimas para consumo ou processamento. Deste modo, o PHI deve harmonizar a necessidade agronômica (quando, como aplicar e a partir de quando colher) para não extrapolar os limites máximos de resíduos (LMR) oficialmente estabelecidos. Para isto, os parâmetros que devem ser considerados são: 

  • Momento e dose da aplicação do produto fitossanitário
  • Momento da colheita do cultivo onde foi aplicado o produto fitossanitário
  • LMR permitido pelas autoridades regulatórias para o ingrediente ativo do produto fitossanitário

A proposta do PHI resultante da prática agronômica deve ser avaliada e ratificada, ou retificada, caso seja necessário, uma vez que ela, obrigatoriamente, deve garantir que, no momento da colheita de um cultivo, o nível de resíduos do ingrediente ativo do produto aplicado não exceda o LMR permitido pelas autoridades regulatórias. É normal que os cultivos contenham traços dos produtos utilizados, por isso é necessário estabelecer, sob regras estritas, o LMR permitido para estes resíduos.

Para comprovar que os resíduos de um defensivo estejam de acordo com os limites permitidos no momento da colheita, realizam-se ensaios aplicando o produto na dose agronômica máxima e sob a modalidade de uso que serão recomendadas na bula. Em geral, os ensaios também incluem a análise de resíduos em momentos de colheita alternativos, anteriores e/ou posteriores ao momento “ideal”, sempre que estes sejam factíveis, de acordo com as práticas agrícolas locais para o cultivo em questão. Desta forma, estabelece-se uma curva de dissipação de resíduos que oferece a possibilidade de recomendar um PHI que harmonize o momento factível da colheita com o menor valor de resíduo encontrado.

Compartir nota en:
Rolar para o topo